Pub

AÇORES 9 TV EM DIRETO

A Secretária Regional dos Transportes e Obras Públicas assegurou, na Assembleia Legislativa, na Horta, que os serviços da Atlânticoline à ilha Graciosa “têm aumentado, nomeadamente em número de toques”.

“Desde 2017, registámos um aumento desse número de toques na ordem dos 57%, tendência que se vai manter para o ano de 2018”, afirmou Ana Cunha.

A titular da pasta dos Transportes frisou que se procura, desta forma, “ir ao encontro das necessidades dos Graciosenses, não pondo de parte os ajustes que são feitos em termos de horários e de frequências sempre que se afigura necessário, nomeadamente para festividades e outros acontecimentos da ilha”.

As ligações à Graciosa, salientou Ana Cunha, “têm sido asseguradas pela linha Amarela, com privilégio das ligações diretas, em detrimento de transbordos, aumentando o conforto dos passageiros e conseguindo, assim, melhores condições logísticas no transporte”.

A Secretária Regional apontou, nesse sentido, alguns dos indicadores positivos do atual modelo, como os 80 toques na Graciosa, “que aumentarão em 2018″.

Ana Cunha referiu ainda que, no período de 3 de maio a 29 de setembro, houve, em média, um toque por cada 1,8 dias, acrescentando que, em cada toque, são disponibilizados na linha Amarela 630 lugares para embarque e desembarque, sendo que a taxa de ocupação se situa nos 9,34%.

Para a titular da pasta dos Transportes, a inclusão da ilha Graciosa na linha Lilás da Atlânticoline, que liga as ilhas do Faial, Pico, São Jorge e Terceira (Angra do Heroísmo), de 15 de junho a 16 de setembro, levaria “à diminuição dos recursos afetos ao ‘Triângulo’ e ao aumento dos custos diretos e indiretos para a exploração da Atlânticoline”.

PS chumba recomendação do PSD/Açores para inclusão da Graciosa na “Linha Lilás” da Atlânticoline

A bancada maioritária do PS no parlamento açoriano, que suporta o Governo regional, chumbou ontem um projeto de resolução do PSD/Açores que recomendava ao executivo a inclusão da ilha Graciosa na “Linha Lilás” da Atlânticoline, empresa pública regional.

Segundo João Bruto da Costa, o voto socialista contra esta medida reivindicada pelos “graciosenses, agricultores, pescadores, empresários, autarquias e pelo próprio Conselho de Ilha significa que o PS votou contra a ilha Graciosa”.

“A proposta do PSD/Açores reflete a vontade de todos os quadrantes da Graciosa que sejam uma ilha que não continue à margem do esforço para melhorar as acessibilidades e para promover a luta contra o isolamento de uma ilha, um dos principais fatores de desertificação humana”, indicou o deputado do PSD/Açores eleito pela Graciosa.

Além disso, afirmou o deputado, “o PS e o Governo regional provaram, uma vez mais, a sua inflexibilidade, alegando uma questão economicista, para corrigir uma injustiça e promover a coesão regional por via da aprovação de uma medida de equidade e socorro a uma ilha que continua a ser adiada”.

A Graciosa é a única ilha do Grupo Central que não é servida pela “Linha Lilás” da Atlânticoline, a mesma que cuja operação é assegurada por um navio que o Governo regional adquiriu justamente para servir as cinco ilhas açorianas deste grupo.

O PSD/Açores, na sua proposta, proponha a inclusão da Graciosa na “Linha Lilás” para operar em simultâneo com a “Linha Amarela”. Bruto da Costa explicou ainda que a proposta tinha um caráter efetivo, ou seja, não tinha caráter experimental, já que a acessibilidade à ilha “não pode e não deve ficar dependente de taxas de ocupação”.

O parlamentar defendeu ainda a necessidade de se aprovar esta medida com a urgência de dotar a Graciosa de “instrumentos e de oportunidades” para que a ilha possa integrar o mercado interno e, por via disso, potenciar a sua capacidade produtiva, nomeadamente nos mercados do Faial, Pico e São Jorge.

“Defendemos serviços para potenciar a capacidade produtiva da Graciosa, que está cada vez mais dificultada por falta de mercado, e o mercado do Triângulo é o verdadeiro motivo pelo qual defendemos mais e melhores ligações de e para a Graciosa”, explicou.

Pub