Pub

O presidente da associação Sindical dos juízes disse hoje, no final de uma reunião com deputados do grupo parlamentar socialista onde foram abordadas as alterações ao estatuto dos magistrados que o encontro “não serviu para nada”.

“A reunião não serviu para nada. Na nossa leitura, o Partido Socialista não tem vontade de negociar com os juízes. Aquilo que aconteceu hoje consideramos uma absoluta falta de respeito. Ouvimos exatamente o que ouvimos no primeiro dia, há um ano e 22 dias”, disse o juiz Manuel Soares no final da reunião.

Para o presidente da ASJP, as três reuniões que mantiveram com os deputados do grupo parlamentar socialista para discutirem as alterações ao estatuto do magistrado, que a associação discorda, não serviram para nada.

“Estivemos aqui há um ano e 22 dias e fomos sensíveis ao apelo do grupo do PS no sentido de apelar à nossa responsabilidade e a um compromisso dos PS para negociar connosco as questões que a ministra se tinha recusado a negociar. Há cinco meses voltámos para ouvir a mesma coisa e hoje não houve desenvolvimentos”, acrescentou.

Apesar de garantir que “tudo fará” para evitar um momento de “crispação e conflito”, a associação de juízes não descarta essa hipótese.

“Não desejamos crispação nem conflito, mas se tiver de acontecer vai acontecer”, afirmou Manuel Soares, dizendo estar preocupado com o que vai acontecer no futuro.

“Já não estamos preocupados com as negociações, mas com o que vai acontecer a seguir porque percebemos que era importante que a justiça passasse por anos de tranquilidade pelos processos relevantes que vão estar em tribunal”, sublinhou.

A Associação Sindical dos Juízes Portugueses vai marcar uma assembleia-geral de magistrados para discutir os próximos passos.

Em julho, o parlamento aprovou as alterações do estatuto dos magistrados judiciais que não contempla nem aumentos salariais nem progressão das carreiras, tendo, na altura, a ASJP considerado a proposta “uma vergonha para a democracia”.

Pub