Artesanato dos Açores cresce em quantidade e qualidade

 

O Vice-Presidente do Governo sublinhou, em Angra do Heroísmo, a “vitalidade” que se tem verificado nos últimos anos no Artesanato dos Açores, frisando que esta atividade tem vindo a crescer em termos de “importância no contexto produtivo e da economia regional”, facto que tem sido potenciado pelo aumento do fluxo turístico.

“Efetivamente, temos crescido e muito em termos de empresas”, afirmou Sérgio Ávila, referindo-se ao aumento de Unidades Produtivas Artesanais (UPA) registado nas nove ilhas do arquipélago.

Atualmente, estão registados 561 artesãos no Centro Regional de Apoio ao Artesanato (CRAA), o que representa um aumento de 56 por cento relativamente a 2012, quando eram 359.

Sérgio Ávila, que falava sexta-feira na inauguração da Mostra de Artesanato no âmbito das Festas Sanjoaninas, promovida pela Vice-Presidência do Governo, através do Centro Regional de Apoio ao Artesanato (CRAA), assegurou que o certame “demonstra a vitalidade que o artesanato tem tido nos Açores ao longo dos últimos anos”, considerando-o como “mais uma oportunidade” para dar visibilidade ao trabalho dos artesãos, bem como para venda da produção artesanal.

O Vice-Presidente salientou a “diversidade em termos de materiais usados e, particularmente, a qualidade dos produtos oferecidos”, adiantando que a “enorme dinâmica” desta atividade tem atraído “cada vez mais pessoas”, especialmente jovens.

Por outro lado, realçou também o “rendimento bastante assinalável” que o artesanato tem proporcionado aos artesãos.

O Governo dos Açores incentiva a capacidade empreendedora dos Açorianos por meio do SIDART -Sistema de Incentivos ao Desenvolvimento do Artesanato, que, só no ano passado, concedeu apoios num valor superior a meio milhão de euros.

Este sistema permite anualmente apoiar a atividade profissional dos artesãos e o desenvolvimento económico das suas empresas ao nível da comercialização, da promoção, da formação e do investimento em estruturas e equipamento de produção.