Arquipélago de Escritores potencia um dos pontos fortes da açorianidade: a literatura 

O II Encontro Literário “Arquipélago de Escritores” começou ontem, em Ponta Delgada, com uma cerimónia no Salão Nobre dos Paços do Concelho.

O Presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada, José Manuel Bolieiro, afirmou que o Arquipélago de Escritores apresenta-se como uma oportunidade de celebrar uma identidade, sendo, por isso, responsabilidade do Município apoiar a iniciativa. “A nossa dimensão cultural ultrapassa em muito a nossa dimensão geográfica”, defendeu.

Ademais, contribui para a notabilidade de Ponta Delgada, dos Açores e da açorianidade, contando com a participação  de pessoas “altamente qualificadas” e  de “testemunhos que nos honram”.

O Arquipélago de Escritores tem como berço Ponta Delgada e como pano de fundo tradição literária do arquipélago. Conta com conversas, encontros com leitores, visitas a escolas, concertos de música, leituras encenadas, cursos e sessões de cinema, partindo sempre dos livros para se falar da vida, e tendo como objetivo promover o convívio cultural, a troca de ideias e acentuar o gosto pela leitura.

Este ano vão ser homenageados José Henriques Santos Barros e Vamberto Freitas. O poeta J.H. Santos Barros, açoriano, vai ser homenageado e recordado com a estreia oficial, em Ponta Delgada e em Angra do Heroísmo, do documentário “Fazer Versos Dói”, numa altura em que é editado pela Imprensa Nacional o volume que reúne toda a sua obra poética, incluindo o seu  primeiro livro, “Novíssima Poesia Açoriana” (1964).

Vamberto Freitas é, pois, uma figura central da literatura dos Açores. Agradeceu, ontem, a homenagem e o reconhecimento por parte da Câmara Municipal de Ponta Delgada e deixou um elogio à nova geração de escritores.

Na sessão inaugural do evento, o Presidente do Município dirigiu uma palavra de apreço a Nuno Costa Santos, parceiro e ideólogo desta iniciativa e desta “ousadia arquipelágica”. Expressou “orgulho do feito, do que se faz e no que se fará para futuro”.

Nuno Costa Santos, por seu turno, agradeceu à Câmara Municipal de Ponta Delgada o ter abraçado esta ideia que começa em Ponta Delgada e potencia um dos pontos fortes dos açorianos: a literatura. O evento, este ano, estende-se a outras ilhas, indo ao encontro da sua própria designação.

O II Encontro Literário Arquipélago dos Escritores vai decorrer até 17 de novembro, numa iniciativa da Câmara Municipal de Ponta Delgada, que conta com a produção da “StorySpell” e o apoio do Governo Regional e da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD), entre muitos outros parceiros públicos e privados. São cerca de 40 os convidados deste encontro.