Das 170 candidaturas, 75 foram contratadas no total de 5.057.148,26€ de investimento elegível, representando 3.955.902,11€ de despesa pública.

A ARDE é a entidade gestora dos fundos comunitários ao abrigo da Medida 19 – Apoio ao Desenvolvimento Local de Base Comunitária (DLBC) LEADER do Programa de Desenvolvimento Rural da Região Autónoma dos Açores PRORURAL+, para as 24 freguesias do concelho de Ponta Delgada e 5 do concelho de Vila do Porto.

Estas candidaturas foram apresentadas por entidades privadas, nomeadamente por empresas e empresários individuais, por IPSS e Associações sem Fins Lucrativos e por autarquias locais cujos projetos obtiveram um financiamento de 50% e 70%, no caso das empresas, de 80% e de 100% no caso das autarquias, e de todas as entidades que desenvolveram projetos de cariz marcadamente social.

Do montante global atribuído à ARDE para a sua Estratégia de Desenvolvimento Local, 55% foi destinado ao apoio às empresas dos concelhos de Ponta Delgada e Vila do Porto, tendo sido esta uma das prioridades da Associação. Até ao momento já foram apoiadas empresas no valor de 2.150.006,82€ de despesa pública.

Desde o início do período de programação, que arrancou com a apresentação de candidaturas em 2016 e até ao final de 2020, a ARDE apresenta uma taxa de compromisso de 94,43% e uma taxa de execução de 57,80%.

Num balanço da actividade da ARDE ao longo deste programa, Pedro Furtado, Presidente da Direção, destaca a “grande iniciativa nos mais diversos projetos de desenvolvimento rural, tanto a nível de pessoas particulares como de entidades públicas e privadas”.

“O número de candidaturas até agora verificado comprova a importância da ARDE e são resultado de um conjunto de iniciativas e estratégias de promoção e divulgação das medidas de apoio do PRORURAL+ junto dos seus associados e público em geral”, afirma.

O Presidente adianta que a ARDE, bem como todas as associações de desenvolvimento local dos Açores, “encontra-se numa fase de reflexão sobre as prioridades da nossa próxima Estratégia de Desenvolvimento Local”.

“O nosso objetivo é que se continue a dar resposta às necessidades e potencialidades do nosso território, promovendo-o e tornando-o mais competitivo, sustentável, atrativo e coeso, desenhando, para o efeito, medidas que vão ao encontro da nossa realidade local e que contribuam, efetivamente, para o desenvolvimento dos nossos concelhos e para a melhoria da qualidade de vida das pessoas”, explica Pedro Furtado.