Pub

Desmond Tutu, arcebispo emérito sul-africano e vencedor do Prémio Nobel da Paz de 1984 pelo seu ativismo contra o regime de segregação racista do Apartheid, morreu hoje aos 90 anos, anunciou o Presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa.

Num comunicado emitido, o Presidente confirma o falecimento e enviou as condolências à família.

“A morte do arcebispo emérito Desmond Tutu é um novo capítulo de luto na despedida da nossa nação a uma geração de sul-africanos excecionais que nos legaram uma África do sul liberta”, acrescentou o presidente.

MNE apresenta condolências à África de Sul

O Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) português endereçou hoje condolências aos sul-africanos pela morte do prémio Nobel da Paz Desmond Tutu, destacando o homem que “imaginou e construiu” uma África do Sul onde todos cabem e são iguais

“Desmond Tutu foi um líder religioso e cívico que soube sempre pôr em prática a sua crença na igualdade dos seres humanos. Lutou contra o apartheid, presidiu à Comissão da Verdade e Reconciliação. Nobel da Paz, agiu em nome da paz, do pluralismo e da dignidade humana”, realçou o MNE português, numa nota publicada na rede social Twitter.

O ministério português salientou ainda que o bispo anglicano, ao lado do histórico ativista sul-africano Nelson Mandela, “imaginou e construiu uma África do Sul onde todos cabem e todos são iguais”.

Na nota, o MNE destacou que Portugal, que tem uma grande comunidade na África do Sul, lamenta a morte de Desmond Tutu e apresenta condolências a todos os sul-africanos.

Desmond Tutu, arcebispo emérito sul-africano e vencedor do Prémio Nobel da Paz de 1984 pelo seu ativismo contra o regime de segregação racista do Apartheid, morreu hoje aos 90 anos, anunciou o Presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa.

O arcebispo anglicano estava debilitado há vários meses, durante os quais não falou em público, mas ainda cumprimentava os jornalistas que acompanhavam cada uma das suas saídas recentes, como quando foi tomar a sua vacina contra a covid-19 num hospital ou quando celebrou os seus 90 anos em outubro.

Desmond Tutu ganhou notoriedade durante as piores horas do regime racista na África do Sul, quando organizava marchas pacíficas contra a segregação, enquanto sacerdote, pedindo sanções internacionais contra o regime branco em Pretória.

Com o advento da democracia, 10 anos depois, o homem que deu à África do Sul o nome de “nação arco-íris” presidiu à Comissão de Verdade e Reconciliação criada com o objetivo de virar a página sobre o ódio racial, mas as suas esperanças foram rapidamente frustradas. A maioria negra adquiriu o direito de voto, mas continua em grande parte pobre.

Depois do combate ao apartheid, Tutu empenhou-se na reconciliação do seu país e na defesa dos direitos humanos.

Contra a hierarquia da igreja anglicana, defendeu os homossexuais e o direito ao aborto, tendo nos últimos anos aberto como nova frente de combate o direito ao suicídio assistido.

Santos Silva destaca importância política de “herói contemporâneo”

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, destacou a importância da vida social, religiosa e política do arcebispo sul-africano Desmond Tutu, que morreu hoje aos 90 anos, classificando-o como um “herói contemporâneo” e defensor da dignidade.

“Em primeiro lugar, quero lamentar a sua morte, ocorre ao fim de uma vida longa e preenchida, mas de qualquer forma é sempre de lamentar a perda de um destes heróis contemporâneos da humanidade, defensor intransigente da dignidade de todos, independentemente da raça, nascimento, condição, religião ou convicções”, afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros, em declarações à Lusa.

Santos Silva chamou à atenção para a importância da vida cívica, social, religiosa e política de Desmond Tutu, lembrando que este foi um combatente contra o apartheid (regime de segregação racial).

O ministro lembrou que, após as primeiras eleições livres, o arcebispo “desempenhou um papel essencial no refazer da sociedade africana, onde todos cabiam”, enquanto presidente da comissão da verdade e da reconciliação.

Por outro lado, o governante acrescentou que Desmond Tutu, a par de Nelson Mandela, “foi um dos que melhor percebeu que nessa sociedade sul africana, democrática e inclusiva, que sonharam e construíram, os portugueses também cabiam”.

Conforme apontou, a comunidade portuguesa na África do Sul “é bastante numerosa, muito bem integrada e influente económica e socialmente”.

Também com o esforço do embaixador José Cutileiro, que morreu em maio de 2020, foi possível que os novos dirigentes compreendessem que a comunidade portuguesa “era parte integrante dessa sociedade multirracial e pluralista, que eles estavam a construir”, concluiu Santos Silva.

Desmond Tutu, arcebispo emérito sul-africano e vencedor do Prémio Nobel da Paz de 1984 pelo seu ativismo contra o regime de segregação racista do apartheid, morreu hoje aos 90 anos, anunciou o Presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa.

Num comunicado emitido, o Presidente confirmou o falecimento e enviou as condolências à família.

“A morte do arcebispo emérito Desmond Tutu é um novo capítulo de luto na despedida da nossa nação a uma geração de sul-africanos excecionais que nos legaram uma África do sul liberta”, acrescentou o presidente na nota.

Desmond Tutu ganhou notoriedade durante as piores horas do regime racista na África do Sul, quando organizava marchas pacíficas contra a segregação, enquanto sacerdote, pedindo sanções internacionais contra o regime branco em Pretória.

Com o advento da democracia, 10 anos depois, o homem que deu à África do Sul o nome de “nação arco-íris” presidiu à Comissão de Verdade e Reconciliação criada com o objetivo de virar a página sobre o ódio racial, mas as suas esperanças foram rapidamente frustradas. A maioria negra adquiriu o direito de voto, mas continua em grande parte pobre.

Depois do combate ao apartheid, Tutu empenhou-se na reconciliação do seu país e na defesa dos direitos humanos.

Contra a hierarquia da igreja anglicana, defendeu os homossexuais e o direito ao aborto, tendo nos últimos anos aberto como nova frente de combate o direito ao suicídio assistido.

Pub