Aníbal Pires: Na Síria, Quem é quem

Sobre a agressão à Síria, que não é de agora, dura abertamente desde 2011, a informação que circula na comunicação social portuguesa de referência, seja lá o que isso for, tem sido tendenciosa e, em alguns momentos, manipuladora da opinião pública. Nada que eu estranhe, mas que não fica bem a quem tem por missão informar, mesmo considerando que os conflitos políticos e militares são sempre alvo de tentativas de contrainformação e de propaganda.

Deixo aqui o mais recente exemplo, ou melhor dois exemplos de factos que tendo sido difundidos e confirmados não foram alvo de notícias na tal, de referência, comunicação social nacional.

Segundo a agência espanhola de informação a EFE, nos dias que se seguiram às notícias do suposto ataque com armas químicas, em Douma, “A Síria enviou um convite à Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) para que uma equipa dos seus investigadores visite a cidade de Douma, nos arredores de Damasco, onde houve denúncias do seu suposto ataque químico no sábado.” O convite foi feito e confirmado e os investigadores da OPAQ que se encontram na Síria desde o dia 14, ou seja, poucas horas depois dos bombardeamentos que, supostamente, terão destruído os locais de armazenamento e fabrico de armas químicas. Difícil será agora comprovar o que quer que seja. Os Estados Unidos, a Inglaterra e a França, vá-se lá saber porquê, parece não quererem apurar a verdade. As certezas desta aliança são cada vez mais semelhantes com o logro que Colin Powell apresentou no Conselho de Segurança das Nações Unidas, a 5 de Fevereiro de 2003, e que justificou perante a opinião pública mundial a invasão do Iraque.

O outro exemplo não estando diretamente relacionado com a Síria, mas está com a Rússia, é a confirmação, por um prestigiado e independente laboratório suíço, de que o aposentado espião russo e a sua filha, não foram submetidos ao agente tóxico “novichok”. A filha de Skipral já teve alta do hospital e o antigo espião russo já não se encontra em estado crítico, a terem sido alvo de um ataque com aquele agente tóxico e a sua morte já teria acontecido.

E assim se foram por água abaixo as teses que estiveram na base do azedar das relações diplomáticas entre os Estados Unidos, a Inglaterra, os seus aliados, e a Rússia. Esta questão só parece que não, mas tem tudo a ver com a questão Síria.

Uma outra informação, esta sim, difundida, prende-se com um facto, julgo eu estranho. Vejamos, A embaixadora dos Estados Unidos nas Nações Unidas, Nikki Haley, afirmou durante uma entrevista a televisões do seu país que as tropas norte-americanas “não sairão da Síria sem que os objetivos da sua presença sejam alcançados”. Para além desta afirmação contradizer o presidente dos Estados Unidos (entendam-se) que, alguns dias antes, tinha afirmado que iria retirar os soldados americanos da Síria, fica demonstrado inequivocamente a presença de soldados estrangeiros em território sírio sem autorização do estado sírio. O que conforma, face ao direito internacional, uma invasão. Mas nem é bem isso que me causa alguma estranheza. Estranho mesmo é saber onde é que estão, ou têm estado, pois já não há muito território sírio que não esteja limpo de terroristas, os militares dos Estados Unidos, pois bem só podem estar, ou ter estado, nos territórios sob controle do terrorismo islâmico, neste caso nos territórios sírios sob domínio da Al-Nusra/Al-Qaeda, isto se quisermos, ainda assim, diferenciar estas organizações do DAESH. Afinal quem é quem na Síria.

Que os Estados Unidos têm, ou tiveram, soldados em território sírio não é especulação. Foi o presidente Donald Trump e a sua embaixadora nas Nações Unidas que o confirmaram.

Mas esta constatação leva-me a outras notícias que vêm do tempo em que Alepo foi libertada e que agora, com a libertação de Ghouta, se verificaram de novo. Aquando da libertação de Alepo foi divulgada, pelo governo sírio, a captura pelo seu exército de mais de uma dezena de oficiais da NATO de várias nacionalidades. Agora com libertação de Ghouta, muito antes do que se pensava, corre por aí que alguns militares britânicos terão sido capturados pelas forças armadas sírias que libertaram a região de Ghouta Oriental. Dir-me-ão que esta última notícia tem origem numa agência de informação iraniana, É verdade. Mas também é verdade que não dei conta de nenhum desmentido.

Afinal, quem é quem na Síria.

Notícias relacionadas