“Angra, Berço do Liberalismo” é o mote para as Sanjoaninas 2018

Em conferência de imprensa realizada na manhã de hoje, dia 18 de janeiro, foi apresentado o tema para a edição de 2018 das maiores festas dos Açores, “Angra, Berço do Liberalismo”.

cartaz

Na apresentação realizada pelo Vice-Presidente da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo e que neste ano assume a organização das festas sanjoaninas, José Gaspar frisou que a edição de 2018 pretende celebrar a revolta de 22 de junho de 1828, que decorreu na cidade de Angra e que culminou com a vitória liberal sobre os absolutistas.

“Na noite de 22 de junho de 1828, reagindo à aclamação de D. Miguel, o Batalhão de Caçadores n.º 5  sob o comando de José Quintino Dias, prendeu o governador do castelo, Teófilo Rogério de Almeida, e o capitão-general, Manuel Vieira de Albuquerque Touvar, protegido no Palácio dos Capitães-Generais. De seguida, recorrendo ao alvará de 12 de dezembro de 1770, foi constituído o governo interino, tornando a Terceira o único reduto onde o ideal liberal existia. Menos de um ano depois, a vitória liberalista na batalha de 11 de agosto de 1829, consolidaria essa condição, preparando o caminho para o Desembarque do Mindelo, que permitiu às forças liberais apanhar de surpresa o exército miguelista que haveria de as submeter ao prolongado Cerco do Porto. D. Miguel acabou por capitular em 1834, abrindo caminho à implantação definitiva do liberalismo em Portugal.”

José Gaspar, referiu que “a importância de celebrar esta data, que no passado foi feriado municipal lembrando o período Liberal, tem por objetivo lembrar às novas gerações que não se esqueçam da importância do concelho na génese da primeira manifestação a favor do Liberalismo.”

Para o Vice-Presidente o município após assumir na totalidade a realização das festas sanjoaninas a partir de 2015, consolidou o modelo, aumentando a participação popular nas festas, bem como o incremento do número de visitantes. “Neste momento as Sanjoaninas são as maiores festividades realizadas na Região Autónoma dos Açores, rivalizando com grandes festividades que ocorrem no continente português. Temos obtido informação através de dados estatísticos que durante os dez dias de festa todos os alojamentos disponíveis na Ilha Terceira se encontram esgotados.”

revolta_22_junho_1828