Pub

“Pretendo garantir uma administração estável, com a experiência que adquiri nas empresas e no setor público, estimulando de forma muito criativa o fomento à economia e ao emprego – primeira condição para travar a desertificação do concelho e dar oportunidade de regresso e fixação aos nossos jovens”, afirmou hoje à Lusa a candidata, de 35 anos e contabilista de profissão.

Ana Brum defendeu que tenciona “investir num programa ambicioso de desenvolvimento, coesão, integração e cooperação, ecologia, transparência e proximidade”, um projeto que coloque aquele concelho “na senda do progresso, da cultura, de um melhor ambiente e, sobretudo na qualidade de vida dos munícipes”.

A candidata apontou que o concelho das Lajes do Pico tem “uma economia débil centrada na agricultura, nas pescas e no turismo”, o que, na sua opinião, “impõe um sobressalto, quer na estratégia quer na gestão”.

“É importante criar condições de habitabilidade para novas famílias e colaborar com as empresas para que nasçam novos espaços empresariais com condições para o aumento do emprego. Só assim se consegue o crescimento social e económico de que tanto o concelho das Lajes precisa”, defendeu.

Pub

No seu entender, as carências na área da “saúde” e “o envelhecimento da população arrastam a falta de investimento em todos os setores”.

“Iremos reivindicar a construção de um novo Centro de Saúde, disponibilizando um terreno para que o Governo Regional possa pôr em prática a sua promessa. Desta forma valorizam-se os profissionais de saúde melhorando as suas condições de trabalho para que escolham fixar-se nas Lajes, criando novos postos de trabalho”, referiu.

Ana Brum sublinhou que a “solução” permitirá à Santa Casa da Misericórdia “receber o edifício que lhes pertence, criando valências” que permitam responder “à longa lista de idosos” que solicitam “cuidados permanentes”.

Além disso, a própria Misericórdia das Lajes “terá condições para aumentar a empregabilidade”, acrescentou.

A candidata defendeu ainda que deverá ser “fomentada a economia, dando primazia à captação de investimento privado, quer na promoção das várias oportunidades, quer assegurando licenciamentos expeditos e acompanhamento e apoio a quem queira investir no concelho”.

“Seremos uma Câmara Municipal amiga do investimento e do empreendedorismo – condições indispensáveis ao progresso”, assegurou, prometendo ainda uma “aposta na educação, ambiente e na cultura”.

Ana Brum comprometeu-se a “pôr em marcha um conjunto de novos investimentos estruturantes ao alcance da Câmara por ter uma situação financeira estável e acedendo aos apoios da Comunidade Europeia”.

A candidata assegurou ainda “um desenvolvimento integral do concelho, envolvendo todas as freguesias” e disse que pretende “fomentar a descentralização, através do desenvolvimento uniforme, evitando a diferenciação”.

“Pretendemos reunir mensalmente nas freguesias com as populações: ouvir os problemas e encontrar soluções. Cada freguesia terá tudo aquilo a que tem direito”, vincou.

Outro dos objetivos é “ativar o Conselho Municipal”, que será “um órgão de consulta para as grandes opções de desenvolvimento estratégico”, agregando “um conjunto de cidadãos de prestígio, sem qualquer exclusão política ou partidária”.

A coligação PSD/CDS-PP/PPM candidata à Câmara Municipal das Lajes do Pico, Tânia Konvalina, de 44 anos, psicóloga clínica e psicoterapeuta.

O atual executivo da Câmara, presidido por Roberto Silva, possui cinco elementos, três socialistas e dois do Movimento de Cidadãos Podemos Mais.

O PS venceu as eleições autárquicas em 2017 com 51,06%, enquanto o Movimento de Cidadãos Podemos Mais obteve 45.10% e o PCP 1,23%.

As eleições autárquicas estão marcadas para 26 de setembro.

Pub