PUB

O Secretário Regional do Ambiente e Alterações Climáticas, Alonso Miguel, esteve presente este sábado na feira de trocas “Trocar, Doar e Alimentar”, que decorreu no Mercado Duque de Bragança, na ilha Terceira, no âmbito da 13.ª Semana dos Resíduos dos Açores.

A 13.ª Semana dos Resíduos dos Açores decorreu entre 19 e 27 de novembro, contando com atividades em todas as ilhas do arquipélago, com o intuito de contribuir para a sensibilização e educação da população para a temática dos resíduos, com destaque ainda para a dinamização de ‘workshops’ de reutilização de têxteis, alguns deles direcionados ao público escolar, onde roupas ou tecidos que não são utilizados ganham uma nova vida.

Alonso Miguel referiu que “esta parceria com a instituição Cáritas, na feira «Trocar, Doar e Alimentar» constituiu, igualmente, uma forma de contribuir para o apoio a famílias mais necessitadas, através da doação dos produtos alimentares não perecíveis que foram trocados por peças de roupa utilizada”, acrescentando que “esta feira foi realizada em várias ilhas, tendo contado com a presença da Diretora Regional do Ambiente e Alterações Climáticas, Ana Rodrigues, na iniciativa que decorreu no Mercado Municipal da Horta, no Faial”.

PUB

O Secretário Regional referiu, na ocasião, que “o consumo europeu de têxteis representa o quarto maior impacto no ambiente e nas alterações climáticas, sendo que, a nível nacional, os têxteis representam 3,78 % dos resíduos urbanos”.

Alonso Miguel acrescentou que “se prevê que o consumo de vestuário e calçado aumente 63 % até 2030, passando de 62 milhões de toneladas para 102 milhões de toneladas”.

“Como tal, é necessário tomar medidas urgentes de modo a colmatar o seu impacto no ambiente, começando por alterar a forma como produzimos e consumimos, bem como por implementar o conceito de moda circular e desmitificar a ideia negativa que existe na troca de roupa usada”, sublinhou.

Para o governante, “com o desenvolvimento da economia circular será possível obter uma valorização dos resíduos produzidos e, consequentemente, a redução do consumo de matérias-primas e da produção de resíduos que não são valorizados ou reutilizados”.

“A economia circular surge como um catalisador para a inovação, pois com medidas de prevenção dos resíduos, conceção ecológica e reutilização, estão criadas as condições para uma nova utilização dos produtos, alargando o seu ciclo de vida e, ao mesmo tempo, contribuindo para um melhor uso dos recursos naturais e redução de emissões de gases de efeito estufa” referiu ainda o Secretário Regional.

Alonso Miguel deu nota que, neste contexto, “se encontra concluído o processo de revisão do Programa Estratégico de Prevenção e Gestão de Resíduos (PEPGRA 20+) e que, com o objetivo de preparar a Região Autónoma dos Açores para esta nova realidade, está em curso a elaboração do Roteiro para Economia Circular Regional, que visa desenvolver um diagnóstico regional, incluindo a análise de fluxos de materiais e de energia nos Açores, medindo o metabolismo económico regional e criando um quadro de base objetivo para avaliar as potencialidades e constrangimentos para o desenvolvimento de um modelo de economia circular na Região”.

Alonso Miguel concluiu referindo que “no âmbito da 13.ª Semana dos Resíduos dos Açores realizaram-se mais de 85 ações de sensibilização em todas as ilhas açorianas, dinamizadas por várias entidades, desde a administração pública e autarquias a empresas privadas, estabelecimentos de ensino, associações e entidades gestoras e operadores de resíduos”.

Pub