A Associação do Alojamento Local dos Açores (ALA) defendeu este sábado, 16 de janeiro, que os programas de apoio ao turismo devem ficar concentrados num único, que designa de “Apoiar o Turismo Açores”, a vigorar pelo menos até junho de 2022.

Numa nota enviada à agência Lusa, a direção da ALA considera que “os programas de apoio devem prever, de forma totalmente inclusiva, uma majoração para todos aqueles que têm a sua principal atividade centrada no turismo”, enquanto “os mesmos que estão em curso, e os novos a implementar, devem ter a total possibilidade de apoiar aqueles que acreditam no turismo da região”.

A ALA propõe a agregação de todos estes apoios num único programa, que designa de “Apoiar o Turismo Açores” e “deveria vigorar no mínimo até junho de 2022”, sendo que “o mesmo seria apenas e só direcionado para o turismo, com medidas pensadas e criadas para as efetivas dificuldades do setor, onde as associações seriam envolvidas na sua aplicabilidade e análise contínua e construtiva”.

Os empresários do setor recomendam que, face ao “advento de um novo paradigma turístico por consequência da pandemia, se dê já início à revisão do Plano Estratégico e de Marketing do Turismo dos Açores (PEMTA) e do POTRAA – Programa de Ordenamento Turístico da Região Autónoma dos Açores”.

Pretende-se com esta revisão “enquadrá-los nesta nova realidade”, considerando-se que “tais instrumentos são fundamentais para definir e auxiliar de forma sólida a estratégia para o turismo açoriano nos próximos anos”.

Aquela associação “volta a desafiar o Governo dos Açores para tomar uma posição clara e inequívoca sobre a elegibilidade do alojamento local no próximo quadro comunitário, algo que se reitera ser de cabal justiça”.

A ALA afirma que esperava que o Governo dos Açores de coligação PSD/CDS-PP/PPM se “fizesse valer de todas as valências que o Estatuto Político-Administrativo da Região Autónoma dos Açores confere, e que auscultasse em primeiro lugar as entidades e associações representativas do setor do turismo nos Açores, mas, no entanto, tal não está a acontecer”.

“Regista-se apenas com algum relevo uma reunião com o Turismo de Portugal, algo que, a nosso ver, foi desajustado e a acrescentar pouco valor ao combate à crise pandémica no arquipélago. Não queremos que o turismo se torne num tema tabu na agenda política regional, queremos sim, discuti-lo abertamente com todos, e que o mesmo seja liderado por nós açorianos”, conclui a ALA.