Pub

AÇORES 9 TV EM DIRETO

A Deputada da Iniciativa Liberal na Assembleia Municipal de Ponta Delgada, Alexandra Cunha, votou favoravelmente o Orçamento da Câmara Municipal para 2022, considerando a redução dos impostos prevista, que devolverá às famílias e empresas de Ponta Delgada mais de 600 mil euros no próximo ano.

“Este Orçamento contempla uma redução da carga fiscal sobre as famílias e empresas do Concelho, garantindo assim que, no ano de 2022, os contribuintes do Município tenham disponíveis mais de 600 mil euros para poupar ou investir, contribuindo assim para retoma da economia do Concelho”, justificou a eleita da Iniciativa Liberal (IL).

Na reunião da Assembleia Municipal, que se realizou no Coliseu Micaelense, Alexandra Cunha referiu que “todas as medidas que permitam uma efetiva redução dos impostos são caras à Iniciativa Liberal e merecem o nosso voto favorável”, apontando que a Autarquia se propõe baixar a carga fiscal, em 2022, no IMI (Imposto Municipal sobre Imóveis), na componente da participação variável do IRS e nas taxas de Derrama.

“Essas medidas vão permitir aliviar a carga fiscal das famílias e das empresas do Concelho de Ponta Delgada e, consequentemente, permitem uma maior disponibilidade financeira de todos permitindo, seguramente, mais consumo local e mais investimento local, considerando a redução da participação variável do IRS de 4% para 3,5% e a redução da Derrama de 1,5% para 1%”, sublinhou.

 

Testes à COVID-19

e património da SINAGA

 

Por outro lado, a eleita liberal na Assembleia Municipal ponta-delgadense votou contra uma proposta do PS, relativa à criação, no Concelho, de Centros de Testagem Gratuita à Covid-19, por considerar que “a testagem da população e o combate à pandemia é uma competência do Serviço Regional de Saúde” e porque a proposta socialista “não era específica, nem fazia referência aos custos que tal instalação envolveria, nem quem suportaria os encargos desta testagem gratuita”.

Já quanto à proposta de classificação do património da SINAGA como de interesse público municipal, apresentada pela Junta de Freguesia de Santa Clara, Alexandra Cunha absteve-se, justificando que “a proposta se encontrava mal formulada e abrangia a classificação do conjunto de todos os bens móveis e imóveis da SINAGA, S.A.”, facto que, na opinião da Deputada Municipal da IL, “hipotecaria a rentabilização de algum do património imóvel, no intuito de se poder atenuar a elevada  dívida assumida com a extinção da empresa”, frisando ainda que a classificação total do património da antiga açucareira “impediria a utilização das áreas sobrantes, não construídas como equipamentos coletivos, o que constituiria também um peso acrescido para o erário público”.

Alexandra Cunha sublinha que “o objetivo da Iniciativa Liberal é demonstrar aos munícipes de Ponta Delgada que possui um projeto que pode fazer a diferença na gestão política municipal, contribuindo para a melhoria das condições socioeconómicas de todos os habitantes de Ponta Delgada e dos Açores em geral”.

Pub