Açores mostram-se ao mundo tecnológico na Web Summit 2019

O Vice-Presidente do Governo manifestou “grande satisfação” pela participação da Região na Web Summit, através da presença, apoiada pelo Executivo, de 30 empresas regionais de base tecnológica, 15 das quais ‘startups’, reunidas num stand próprio dedicado exclusivamente aos Açores.

No fecho de mais uma edição deste evento, Sérgio Avila, salientou que a presença açoriana na Web Summit 2019 “foi uma das melhores formas de mostrar as valências competitivas dos Açores ao mundo tecnológico e empreendedor, perante mais de 70 mil pessoas, 1.400 investidores, de 140 nacionalidades diferentes, e cerca de 2.000 órgãos de comunicação social internacionais especializados em economia, empreendedorismo e sustentabilidade ambiental”.

“A nossa presença física, através de um stand, permitiu às 30 empresas de base tecnológica que nos acompanharam fechar negócios, reunir com parceiros fundamentais para o desenvolvimento da sua atividade”, destacou.

“Apostamos em ajudar as nossas empresas a crescer, reforçando a sua ambição global e apoiando-as no caminho para os mercados externos, por forma a criarem mais emprego”, acrescentou o Vice-Presidente.

Entre as 30 empresas presentes, 15 são ‘startups’, criadas por uma nova geração de empreendedores que se carateriza por valores como “a procura incessante de inovação, a aposta na valorização dos seus colaboradores, na criatividade e no design, o respeito pelo meio ambiente, mas, sobretudo, uma maior visão e ambição globais”.

“Estamos perante uma geração de empreendedores nova, que tem a consciência de que vive numa economia cada vez mais global e competitiva e que está ansiosa por participar na economia global”, frisou.

“É também na Web Summit que as empresas de setores tradicionais se inspiram para inovar nos próximos anos e antecipam quais são as maiores ameaças ou oportunidades, sejam do comércio, da indústria ou do turismo”, referiu Sérgio Ávila.

Após a mecanização, a eletrificação e a automação, o mundo hoje enfrenta uma nova revolução – Indústria 4.0 – que se carateriza pela introdução de um conjunto de tecnologias digitais nos processos de produção, na relação entre os vários intervenientes na cadeia de valor, no relacionamento com o cliente ou mesmo no modelo de negócio.

Para o titular da pasta da Competitividade Empresarial “a indústria 4.0, muito discutida durante a Web Summit, permite aos nossos empresários compreender o que aí vem, desde a digitalização e do comércio eletrónico, de tecnologias como a ‘Internet of Things’, o ‘Machine-to-Machine’, a impressão 3D, a realidade aumentada, os materiais inteligentes e ambientalmente responsáveis, entre outras coisas”.

Nesse sentido, o projeto Terceira Tech Island ganha “grande relevância e centralidade”, pois, foca-se nas novas profissões e na digitalização, contribuindo simultaneamente para mitigar parte dos efeitos do ‘downsizing’ da Base das Lajes.

“Em 2017, quando participámos pela primeira vez na Web Summit, fizemos a primeira apresentação do projeto. No ano passado existiam cinco empresas a funcionar e este ano temos já 16 empresas instaladas e mais de 140 postos de trabalho qualificados criados”, afirmou Sérgio Ávila, garantindo que durante a Web Summit “vários presidentes e administradores de empresas tecnológicas visitaram o stand dos Açores, manifestando intenções de se instalarem também no Terceira Tech Island”.