Açores em alerta até 31 de março e sem excluir avançar para contingência

O Governo dos Açores declarou esta quarta-feira o estado de alerta no arquipélago até ao dia 31, não excluindo a prorrogação deste prazo ou a passagem às fases seguintes previstas no plano relativo ao surto de Covid-19, nomeadamente o estado de contingência.

A medida foi avançada esta tarde pelo presidente do executivo açoriano, Vasco Cordeiro, que falava aos jornalistas, em Ponta Delgada, após uma reunião extraordinária do Conselho de Governo dedicada em exclusivo ao surto de Covid-19.

Nos Açores, não há ainda registo de casos positivos no que refere a esta epidemia.

De todo o modo, o executivo regional decidiu hoje adiar para data posterior a 31 de março todos os eventos por si promovidos, e recomendou que os eventos promovidos por outras entidades públicas ou privadas sejam também adiados para data posterior.

O Governo dos Açores recomenda ainda, também até 31 de março, o adiamento de deslocações, “a qualquer título e de qualquer pessoa”, da região para o exterior e do exterior para a região, “salvo as absolutamente imprescindíveis”.

Os três hospitais da região e as várias unidades de saúde de ilha terão um reforço orçamental global de até 15 milhões de euros, anunciou ainda Vasco Cordeiro.

A epidemia de Covid-19 foi detetada em dezembro, na China, e já provocou mais de 4.000 mortos e cerca de 120 mil pessoas infetadas em cerca de uma centena de países. Mais de 63 mil pessoas recuperaram.

Portugal regista 59 casos confirmados de infeção, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou hoje a doença Covid-19 como pandemia, justificando a decisão com os “níveis alarmantes de propagação e inação”.