Açores atraem especialistas europeus na área da energia

A Diretora Regional da Energia salientou hoje que as especificidades dos Açores, que aliam “uma imensa diversidade de recursos naturais a desafios na gestão de nove sistemas isolados de energia”, fazem do arquipélago um “autêntico caso de estudo”, atrativo para especialistas e investigadores internacionais tendo em vista o desenvolvimento dos seus trabalhos em matéria de energia.

“Foram diversas as candidaturas que a Direção Regional da Energia recebeu no âmbito do programa europeu ‘Pionners into Practice’, tendo os diferentes profissionais mostrado grande interesse em conhecer as políticas públicas em curso no âmbito da energia, devido também ao facto de a Região se demarcar internacionalmente através das posições que tem assumido em termos da descarbonização da economia açoriana”, frisou Andreia Carreiro.

O ‘Pionners into Practice’ é um programa europeu de mobilidade de recursos humanos, dentro da iniciativa Climate-KIC, destinado a profissionais que dedicam a sua carreira à transição energética, que prevê a partilha de experiências, boas práticas e a ampliação de redes de contacto, com importantes contributos para a criação de uma economia global de baixo carbono.

Ao abrigo deste programa, a Direção Regional da Energia acolheu na sua equipa de trabalho uma engenheira especialista em energia e clima do município de Tampere, na Finlândia, localidade cujas políticas se encontram alinhadas com os objetivos e medidas dos Açores no que se refere à transição energética.

Andreia Carreiro falava durante uma visita à Central Geotérmica do Pico Vermelho, em São Miguel, que decorreu com o intuito dar a conhecer o cuidado que os Açores têm na valorização dos seus recursos naturais, como é o caso da geotermia.

“Esta prática posiciona-nos como exemplo a seguir, uma vez que a representação da energia geotérmica no âmbito das fontes renováveis e endógenas é de 67%, entre janeiro e agosto deste ano”, sublinhou Andreia Carreiro.

A Diretora Regional adiantou que, em igual período, a energia geotérmica representou 82% no âmbito da produção de energias limpas em São Miguel e, na ilha Terceira, o seu peso foi de 34%, “estando a decorrer estudos para a possibilidade da expansão da exploração deste recurso”.

“Este setor está em constante evolução e o facto de os Açores pertencerem a redes internacionais, que fomentam troca de conhecimentos, experiências e retenção de massa crítica, é fundamental para que a Região responda aos desafios da transição energética”, afirmou Andreia Carreiro.