10 Junho Não podem ser minimizadas corrupções, falências da justiça ou indignações

O Presidente da República defendeu hoje que Portugal é muito mais do que fragilidades ou erros, mas advertiu que não podem ser omitidos novos ou velhos fracassos coletivos, nem minimizadas corrupções, falências da justiça ou indignações.

Marcelo Rebelo de Sousa deixou esta mensagem no discurso que proferiu na cerimónia do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, em Portalegre, perante os titulares dos diferentes órgãos de soberania, entre eles o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, e o primeiro-ministro, António Costa.

Num discurso um pouco mais longo do que tem feito nestas cerimónias, o chefe de Estado, durante cerca de 15 minutos, falou sobre múltiplos casos de sucesso de portugueses no mundo, muitos dos quais são desconhecidos por parte da generalidade dos cidadãos nacionais.

Neste contexto, no entanto, Marcelo Rebelo de Sousa deixou depois um sério aviso: “Não podemos nem devemos omitir ou apagar os nossos fracassos coletivos, os nossos erros antigos ou novos”.

“Não podemos nem devemos esquecer ou minimizar insatisfações, cansaços, indignações, impaciências, corrupções, falências da justiça, exigências constantes de maior seriedade ou ética na vida publica”, declarou ainda numa nova mensagem crítica.

Segundo o chefe de Estado, essa mesma ideia de insatisfação tinha antes sido globalmente transmitida no discurso proferido pelo presidente da edição deste ano do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, o jornalista João Miguel Tavares.