Cinco carrinhas levam Espaço Cidadão a percorrer o país

Cinco carrinhas dotadas de serviços públicos, incluindo o apoio às populações afetadas pelos incêndios, começam esta semana a circular pelo país, anunciou hoje o Governo.

Espaço Cidadão Móvel é o nome da iniciativa, a apresentar na sexta-feira em Lisboa, na presença das secretárias de Estado da Modernização Administrativa, Graça Fonseca, e da Segurança Social, Cláudia Joaquim.

Os serviços vão desde a Segurança Social à Justiça, passando pelas Finanças, Agricultura, Infraestruturas e Saúde.

O objetivo é levar os serviços aos cidadãos, tentando responder às necessidades das populações sem que estas tenham de deslocar-se a outras sedes.

Numa primeira fase, estes espaços vão “reforçar o trabalho, coordenado pela Segurança Social”, de apoio às vítimas dos incêndios do ano passado, de acordo com informação divulgada, em comunicado, pelo gabinete da secretária de Estado Adjunta e da Modernização Administrativa.

Assim, será disponibilizada informação sobre apoios sociais às populações afetadas pelos fogos, prestações sociais atribuídas pela Segurança Social, apoios disponíveis para empresas danificadas pelo fogo e também para empregabilidade.

Estes serviços visam igualmente sinalizar necessidades de acompanhamento social ou médico e emitir certidões.

Será possível requisitar documentos de identificação ou pedir uma segunda via do certificado de matrícula, bem como obter informação sobre a situação dos veículos ardidos.

Renovação da carta de condução, emissão do registo criminal e entrega de despesas médicas para reembolso pela ADSE são alguns dos serviços disponibilizados.

Estará disponível informação de apoio a agricultores para reposição do potencial produtivo.

No local, estarão técnicos dos vários serviços, nomeadamente da Segurança Social, do Instituto de Registos e Notariado, da Direção Regional de Agricultura e Pescas respetiva e da Agência para a Modernização Administração.

“Estas carrinhas estarão informatizadas, permitindo a instrução inicial dos processos”, lê-se no comunicado.

A ação conta com o apoio do Instituto do Emprego e Formação Profissional e da Fundação INATEL.